Mulher Perdigueira – Fabricio Carpnejar

Mulher Perdigueira – Fabricio Carpnejar

Descrição do livro

Em páginas delicadas de dor, de amor, de silêncio e prazer, Carpinejar faz o que parece impossível: se define. Depois de receber o Prêmio Jabuti 2009, categoria Contos e Crônicas, e surpreender os leitores com o livro vanguardista de tweets, Fabricio Carpinejar apresenta sua nova coletânea de crônicas: Mulher Perdigueira. Na obra, o autor cria sentido para o que não se vê. Aquilo que não tem cor, mas colore, que não tem peso, mas bate, que não tem forma, mas gosto. Aquilo que é o que faz as pessoas diferentes, que rasga histórias, que aproxima beijos, que enlaça almas, que constrói e destrói inversamente. Fabrício fala daquilo que importa. Seja dissecando a alma feminina, em Gay heterossexual, transformando plástico em verdades, em Pratinho do vaso, ou mostrando ironia, em Ou entra em tratamento ou termino o namoro e Quinze minutos de verdade, o que Carpinejar faz é encostar-se no etéreo. Ele se envidraça, atravessa as pessoas com lupa e não encontra poros, e sim enxerga veias. Em Mulher Perdigueira, ele está mais maduro e sua racionalidade serve para reforçar o escape de quando ele ultrapassa a forma coerente e surge de novo puro sangue para fluir, dualizando a configuração das coisas, arrepiando nas entrelinhas, tirando o fôlego no espaço entre as palavras e morrendo de amor a cada ponto final. “Fabrício Carpinejar (…) empresta seu olhar para comentar o dia a dia, e o resultado é surpreendente: ele lê o avesso, inaugura palavras, desinterdita sentidos, descerra conceitos, solta ideias originais assustando a multidão impassível, como podemos observar neste Mulher Perdigueira. Mas vai além: restabelece o diálogo com o público, incomum entre seus pares, compartilhando dúvidas, angústias, espantos. (…) Carpinejar assume seu ofício com a consciência dos que se sabem predestinados.” Luiz Rufatto

Livros Relacionados